segunda-feira, 15 de abril de 2013

Guerras

Para sempre é muito tempo, meu bem. Não se deixe levar por tolos devaneios e desejos. Acredite que as coisas acontecem quando têm de acontecer e duram tanto quanto for para durarem. Não peça por mais, não volte atrás. Há presente, passado e futuro para que vivamos os três, sem pressa. Não há motivos para correr, a estrada não foge de seu lugar. Acalme-se, nenhum tempo de espera é tão longo quando se tem algo bom. A vida nos prega sempre peças e nos dá escolhas das mais variadas. O que nos faz bem hoje pode ser motivo de lágrimas adiante. Mas não há por que se arrepender ou reclamar. É tudo aprendizado, meu bem. As coisas boas - e ruins - duram exatamente o tempo necessário para se tornarem inesquecíveis. Tudo vira lembrança, história para contar. E até mesmo as dores, estas se tornam cicatrizes de nossas guerras.

terça-feira, 2 de abril de 2013

Seguir

Tumblr_mf77i9plgn1qa9gj8o1_500_large

E assim ela seguia. Cheia de medos e desejos, esperando por momentos que talvez nunca acontecessem. Queria carinhos e surpresas, sorrisos sinceros e beijos inesperados. Acreditava em alguém ideal, mas sabia que só era possível em seus sonhos. Ela tinha medo de continuar. De ir pela estrada sozinha, sem alguém para segurar forte sua mão. Ela ansiava pelo dia em que alguém a tomaria nos braços e diria: ‘estou aqui com você e nada mais importa’. E ela sempre fantasiou tanto… Sempre viveu reclusa, no seu mundinho perfeito. Tinha os melhores amigos que nunca a abandonariam, mas aconteceu. Cada um seguiu seu rumo e pareciam não se importar mais. E ela se trancava com seus livros e cafés e filmes e anseios tolos. E ela esperava pelo príncipe que não viria… Tentava continuar, trilhar seus próprios passos, mas algo a impedia. Era o medo. Enquanto ela não conseguisse deixá-lo para trás, nada fluiria. Tentou ter alguns relacionamentos, mas todos frustrados. Ela não sabia mais como se entregar por completo como da primeira vez. E era como se sempre faltasse alguma parte dela… Aos poucos, ela descobriu. Faltava o amor próprio. Faltava olhar no espelho todo dia e perceber o quanto era linda e especial. Ela não precisava de ninguém que fizesse aquilo por ela. Ela era suficientemente necessária para se fazer feliz. Desse dia em diante, ela deixou o medo de lado, e ganhou um novo aliado: a coragem. Passou a enfrentar os dias com um sorriso no rosto, e com um desejo de vitória. Tudo ficou mais interessante e bonito quando ela descobriu o poder que só ela tinha. Enfrentou castelos e monstros e foi atrás do que desejava. Aprendeu com os erros e se reergueu, mais forte do que nunca. E mudou de cidade, mudou de amigos, mudou de vida, mudou de alma. Aquela garota de antigamente, dos filmes e livros e cafés ainda existia, sim. Mas os anseios tolos tornaram-se a melhor realidade que alguém poderia ter.